38% dos europeus têm distúrbios mentais. Fruto do afastamento da religião?

38% da população da União Europeia (EU) sofre de
distúrbios mentais e doenças cerebrais, revelou um estudo do Colégio
Europeu de Neuropsicofarmacologia (ENCP, em inglês), segundo noticiou
“The Telegraph” de Londres.

“As desordens mentais se tornaram o maior desafio à saúde na Europa do século XXI”, dizem os autores.

Apenas um terço dos doentes recebe a terapia ou medicação necessária.
Porém, as repercussões econômicas negativas dessas doenças são
calculadas na ordem de centenas de bilhões de euros, pela incapacitação
física e mental dos doentes.

Grandes laboratórios farmacêuticos desenvolvem caríssimos projetos
financiados pelos governos para encontrar remédios que contenham o
progresso dessas doenças.

“Precisamos fechar o abismo aberto pelas desordens mentais”, disse Hans
Ulrich Wittchen, diretor do Instituto de Psicologia e Psicoterapia
Clínica da Universidade de Dresden, Alemanha, e chefe do estudo dos
pesquisadores europeus.

O estudo do ENCP analisou 30 países europeus – os 27 da UE, a Suíça, a
Islândia e a Noruega – que somados atingem uma população de 514 milhões
de pessoas.

A equipe do Dr. Wittchen considerou perto de 100 doenças que incluem a
totalidade das maiores desordens psicológicas, desde a ansiedade e a
depressão até a esquizofrenia, a epilepsia, Parkinson e esclerose
múltipla.

A conclusão do ENCP é de que há um nível altamente excessivo de desordens mentais e doenças cerebrais nos países estudados.

As doenças mentais se tornaram a principal causa de morte, incapacitação
e um dos maiores ônus econômicos para os serviços de saúde no mundo
inteiro.

A Organização Mundial da Saúde prediz que por volta de 2020, a depressão
será causa da segunda maior despesa em doença de todas as épocas. Mas,
para a UE, segundo o Dr. Wittchen, o futuro chegou mais cedo.

As quatro doenças que mais inabilitam pessoas são a depressão, a demência, a dependência alcoólica e os AVCs.

Estudo análogo anterior apontou que em 2005 a percentagem deste tipo de
doentes da UE atingia 27%, tendo aumentado até 38% em 2011.

A tentativa de construir uma super-organização em bases puramente
materiais que ignoram – e até hostilizam – o lado espiritual e a
religião do homem, não será uma das causas mais profundas desses
desarranjos mentais?

Nesse sentido, atentar contra os fundamentos cristãos da civilização
acaba sendo uma das maiores loucuras e um dos maiores fatores de
enlouquecimento.

***
Fonte:

http://www.telegraph.co.uk/health/healthnews/8741207/More-than-a-third-of-EU-population-suffer-mental-health-problems.html

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.