26/09 – Santos Cosme e Damião

cosmeedamiaoTudo o que se conhece sobre a vida e martírio dos santos Cosme e Damião é fruto de devota fantasia e de narrações lendárias e floridas. Sofreram o martírio em Ciro (na Síria), mas não conhecemos a época. Provavelmente durante a perseguição de Diocleciano, nos inícios do século IV. A data de 27 de setembro corresponde provavelmente à dedicação da basílica que o Papa Félix IV (526-530) mandou construir em honra deles no Foro Romano; e é ainda meta mais de turistas que de devotos, pelo esplêndido mosaico que lhe decora a ábside.

A rica e esplêndida família florentina dos Médici, que por muitos anos dirigiu os destinos da operosa cidade, escolheu a ambos como padroeiros, por causa do nome. Que se trate de dois irmãos é uma simples opinião, fundada sobre a lenda muito difundida sobre os dois mártires a partir do século V. Através desta, ficamos sabendo que os dois irmãos curavam “todas as enfermidades, não só das pessoas, mas também dos animais, fazendo tudo gratuitamente”.

Não pelos seus serviços gratuitos mas pela sua profissão, foram escolhidos como patronos dos médicos e dos farmacêuticos. Uma única vez, prossegue a lenda, Damião, contrariando a regra de caridade, aceitou a remuneração de uma mulher por ele curada, de nome Paládia, e isto provocou uma severa bronca da parte do irmão, que protestou não querer ser sepultado ao lado dele, após a morte. Deve ter havido testemunhas do fato, porque após a decapitação deles, os cristãos pensaram em sepultar seus corpos um pouco longe um do outro. Mas um camelo, assumindo voz humana, bradou em alta voz para unirem os dois irmãos, porque Damião, aceitando o modesto honorário oferecido por Paládia, fizera-o em nome da caridade para não humilhar a pobre senhora.

O prodígio não deve ter maravilhado os presentes, que talvez tenham assistido ao martírio dos dois irmãos: condenados à lapidação, as pedras voltavam contra os perseguidores; foram colocados no paredão para que quatro soldados os atravessassem com setas, mas “os dardos voltavam para trás e feriam a muitos, porém os santos nada sofriam”. Foram obrigados a recorrer à espada para a decapitação, honra reservada só aos cidadãos romanos e somente assim os dois mártires, juntamente com outros três irmãos, puderam prestar seu testemunho a Jesus Cristo.

Outros Santos do mesmo dia: Santos Cipriano e Justina, Santo Colmano de Rossano, São João de Meda, Santa Teresa Vitória Couderc, Beata Lúcia de Caltagirone, Beato Boaventura de Puzol, Beata Crescência Valls Espi, Beato Gaspar Stranggansinger, Beato Luís Tezza, Beata Maria del Olvido Noguera Albelda, Beata Maria Jorda Botella e Beatos Rafael Pardo Molina e José Maria Vidal Segu.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.