23/2 – São Policarpo

policarpoPolicarpo, bispo de Esmirna, conheceu, São João Apóstolo e outras testemunhas oculares da vida de Cristo. Ele é um contemporâneo dos apóstolos. Escreveu uma carta aos cristãos de Macedônia, a pedido deles para saberem algo mais sobre o santo bispo Inácio. Policarpo e Inácio eram grandes amigos.

Policarpo era antes de tudo um homem de governo e não um bom escritor, como Inácio. Não tinha aqueles ímpetos inacianos de ser triturado nos dentes das feras para chegar a Deus. Policarpo tem uma humilde desconfiança de si mesmo. Teve bastante coragem para o martírio.

Conhecemos o comovente fim de sua vida graças a um documento que tem a data de 23 de fevereiro de 155. É uma carta da “Igreja de Deus peregrina em Esmirna à peregrina Igreja de Deus em Filomélio e a todas as paróquias da Igreja santa e católica” (trecho da carta).

É uma narração muito importante do ponto de vista histórico, hagiográfico e litúrgico. Ao procônsul Estácio Quadrato, que o exorta a renegar Cristo, Policarpo responde: “Faz 86 anos que o sirvo e nunca me fez mal algum: como poderia blasfemar o meu Redentor?” O procônsul o ameaça: “Posso fazer-te queimar vivo!” Ele responde: “O seu fogo queima por um momento, depois passa: eu temo é o fogo eterno da condenação”.

Enquanto no meio do anfiteatro de Esmirna é queimado vivo, “não como uma carne que assa, mas como um pão que coze”, o mártir eleva ao Senhor uma súplica maravilhosa, breve e intensa: “Sede para sempre bendito, Senhor, que vosso nome adorável seja glorificado em todos os séculos, por Jesus Cristo, pontífice eterno e onipotente, e que toda a honra vos seja dada com ele e o Espírito Santo, por todos os séculos.” Logo seu corpo se transformou em cinzas. Diz o autor da carta: “Nós conseguimos recolher alguns ossos que conservamos como ouro e pedras preciosas.”

Outros Santos do mesmo dia: São Sereno, São Alexandre, Acemeta, São Dositeu, São Boisilo, São Milburga, São Vilegiso, Beata Rafaela Ybarra, Beata Josefina Vanini, Beato Luis Mzyk e Beato Nicolau Taboullot.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.