14/10 – São Calisto

calisto_1_papaUma das metas obrigatórias para os peregrinos e turistas que se dirigem a Roma são as catacumbas. Particularmente célebres e frequentadas são as de são Calisto, definidas pelo papa João XXIII “as mais respeitáveis e as mais célebres de Roma”. Numa área de mais de 120.000 m², com quatro andares sobrepostos, foi calculado que lá existam não menos de 20 quilômetros de corredores.

Essa obra colossal fixa para sempre a memória de são Calisto, que cuidou de sua realização, primeiro como diácono do papa Zeferino e depois como papa. Mas além das dimensões, este lugar é precioso pelo grande número e pela importância dos mártires que aí foram sepultados: particularmente célebres são a cripta de santa Cecília e a contígua, a dos papas, na qual foram sepultados o papa Ponciano, Antero, Fabiano, etc. Pode parecer estranho, por isso, que falte aí aquele que quis a cripta, são Calisto. O túmulo dele está colocado bem no meio da Roma antiga, na basílica de santa Maria in Trastevere, que, construída por determinação do papa Júlio, na metade do século IV, foi intitulada também de são Calisto.

No Trastevere (Transtibre) além do mais, nasceu Calisto, na segunda metade do II século, filho de um tal Domício. De condição servil, era todavia muito apreciado pelo correligionário Carpóforo, que lhe confiou a administração dos seus bens. Algo, porém, deve não ter funcionado bem, pois não demorou muito que o pobre Calisto teve de fazer girar uma roda de moinho para compensar o patrão e também a comunidade cristã do dano sofrido. outra dura condenação – a flagelação e a deportação para a Sardenha – Calisto teve de sofrer pouco tempo depois das acusações dos judeus. Resgatado pela comunidade cristã, também pela colaboração de Márcia, concubina de Cômodo, Calisto colaborou com o papa Vítor e com Zeferino, até que sucedeu como papa a este no ano 217.

A sua eleição provocou o cisma de Hipólito, que reprovava a Calisto a sua origem servil e sobretudo a sua demasiada condescendência para com os pecadores. São Calisto teve de combater também contra a heresia sabeliana. Morreu mártir, não pelas mãos das autoridades imperiais, como atesta o Martirológio Romano, mas por ocasião de uma sedição popular.

Outros Santos do mesmo dia: Ss. Justo de Lião, S. Manquildes, S. Angadrisma, S. Domingos Lorigado, B. Ana Maria Aranda Riera, B. Romano Lysko e Bs. Estanislau Mysakowski e Francisco Roslaniec.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.