10/10 – São Francisco Borja

santo_10_10Sobrinho segundo do papa Alexandre VI e do rei católico Fernando II de Aragão e de Castela, são Francisco Borja nasceu em Gandia (Valência) a 28 de outubro de 1510. Entrou ainda muito jovem para a vida da corte espanhola, como pajem da irmã de Carlos V, Catarina. Aos vinte anos, o imperador lhe concedeu o título de marquês. Casado aos dezenove anos, teve oito filhos. Aos 29 anos, por ocasião da morte da imperatriz, de onde tirou o sentido da caducidade das coisas terrenas, decidiu “nunca mais servir a um senhor que viesse a morrer” e dedicou-se a uma vida mais perfeita. Mas no mesmo ano, eleito vice-rei de Catalunha (1539-43), mostrou-se à altura do cargo, sem todavia descuidar-se da intensa vida espiritual à qual se havia secretamente votado. Em Barcelona encontrou são Pedro de Alcântara e o bem-aventurado Pedro Favre da Companhia de Jesus. Este último encontro foi determinante para a sua vida futura. Em 1546, após a morte da esposa Eleonora, cumpriu a piedosa prática dos exercícios espirituais de santo Inácio de Loyola e no dia 2 de junho do mesmo ano emitiu os votos religiosos de castidade, de obediência e o de entrar na Companhia de Jesus, onde efetivamente ingressou em 1548 e oficialmente em 1550, após haver encontrado santo Inácio em Roma e haver renunciado ao ducado de Gândia.

A 26 de maio de 1551 celebrava a primeira missa. Fechadas as portas às honras e títulos mundanos, abriam-se as portas das dignidades eclesiásticas. Logo depois foi proposto por Carlos V ao cardinalato, ao qual Francisco renunciou. E para que a sua renúncia fosse sem apelação, emitiu os votos simples dos professos da Companhia de Jesus, um dos quais proíbe a aceitação de qualquer dignidade de eclesiástica. Não pôde, porém, fugir às incumbências sempre mais importantes que lhe foram confiadas dentro da Companhia de Jesus, até a eleição, em 1566, para geral, cargo que ocupou até sua morte, em Roma a 30 de setembro de 1572. Organizador infatigável (a ele se deve a fundação do primeiro Colégio jesuíta na Europa, na sua Gândia, e de outros vinte na Espanha), encontrou tempo para redigir tratados espirituais. Nutriu grande devoção à eucaristia e a Virgem. Dois dias antes de morrer, já gravemente enfermo, quis visitar o santuário mariano de Loreto. Beatificado em 1624, teve a honra dos altares em 1671. Em maio de 1931, o seu corpo, venerado na igreja da casa de Madri, foi carbonizado no incêndio provocado pelos revolucionários.

Outros Santos do mesmo dia: Santos Gereão e companheiros, Santos Eulâmpio e Eulâmpia, Santa Maarsapor, Santo Cerbônio, Santo João de Brigdligton, Santo Paulino de Iorque, Santo Daniel e Companheiros, Santo Daniel Comboni, Beata Ângela Maria Truszkowska, Beato Eduardo Detkens e Beato Leão Wetmanski.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.